Notícias

SINDICATO COBRA DO ITAÚ MAIS MEDIDAS DE PROTEÇÃO CONTRA A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS

COE Itaú se reúne por videoconferência nesta quarta-feira (8)


 

Desde o dia 27 de fevereiro, o Sindicato, juntamente com o Comando Nacional dos Bancários, vem negociando com a Fenaban e com o Itaú medidas para a proteção dos bancários por causa da pandemia do coronavírus.

 

As cobranças dos trabalhadores e as negociações já avançaram em vários pontos e asseguraram as seguintes medidas no Itaú:

 

– Suspensão das demissões até o final da pandemia, exceto em casos de justa causa e desvios éticos

 

– Antecipação do 13º salário integral de todos os funcionários para abril

 

– Implantação de trabalho remoto (home office)

 

– Redução no horário de atendimento das agências, que agora é de 10h às 14h

 

– Contingenciamento no acesso de clientes e usuários ao interior das agências, com número máximo de pessoas dentro das unidades

 

– Campanhas de mídia para diminuir a procura pelo atendimento presencial

 

– Rodízio de bancários nas agências

 

– Compra de máscaras e álcool em gel para os funcionários

 

– Afastamento dos bancários que se encontram no grupo de risco para a Covid-19

 

Porém, alguns problemas ainda seguem ocorrendo e, por isso, o Sindicato continua cobrando o Itaú por soluções imediatas.

 

Veja as reivindicações:

 

– Instalação de protetores de acrílico nos guichês para aumentar a proteção a bancários e clientes durante o atendimento presencial.

 

– Inclusão, no revezamento de funcionários, dos cargos GGAs (Gerentes Gerais de Agências) e GOs (Gerentes Operacionais). As entidades representativas entendem que esta prática é discriminatória e vai contra o que foi acordado em mesa com a Fenaban, quando se determinou o revezamento sem especificar cargos. É sabido que, nas férias dos bancários que ocupam estes cargos, eles são substituídos por funcionários da própria agência (chamados backups), não sendo, portanto, um cargo que não possa ser substituído.

 

– Afastamento das bancárias que estão amamentando, para que não representem risco de contaminação para seus bebês.

 

– Imediata implantação do atendimento de saúde da Fundação Saúde Itaú por telemetria. Todos os planos de saúde já implantaram este tipo de atendimento, mas a Fundação ainda não se manifestou.

 

– Afastamento imediato de bancárias e bancários que comprovarem morar com um parente que esteja incluído no grupo de risco estabelecido pelas orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

– Afastamento de bancárias e bancários que têm filhos com menos de dois anos de idade. Estes trabalhadores se encontram no grupo de risco estabelecido pelo Ministério da Saúde, mas não foram afastados pelo Itaú.

Fonte: Sintraf T.O e Região com Contraf-CUT


 

Publicado em: 07/04/2020

Entidades Filiadas

FETRAFI-MG

CONTRAF

CUT Brasil

Jornal

CEF - Carta Aberta a população

Download

Links importantes